Seletor idioma

Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias Coronavírus > Ufam realiza testes de covid-19 no Instituto de Natureza e Cultura, em Benjamin Constant
Início do conteúdo da página

Ufam realiza testes de covid-19 no Instituto de Natureza e Cultura, em Benjamin Constant

Publicado: Sexta, 06 de Novembro de 2020, 08h50 | Última atualização em Sexta, 15 de Janeiro de 2021, 14h17 | Acessos: 557

Desde a última quarta-feira, 04, servidores do Instituto de Natureza e Cultura da Ufam, em Benjamin Constant, podem se dirigir ao campus para realizar o teste para covid-19. Benjamin Constant é o quarto município do interior a realizar o exame da população depois da capital e de Parintins. O objetivo é identificar o número de pessoas infectadas pelo coronavírus nesses locais.

Responsável pela execução do projeto, a professora Jaila Borges diz que a iniciativa será aplicada em cinco municípios do Amazonas nos quais a Ufam possui sede permanente (Benjamin Constant, Coari, Itacoatiara, Humaitá e Parintins), além de Manaus. “Benjamin vai ser o primeiro município que a gente vai levar o projeto de pesquisa, não vai ser só uma testagem pontual. Então, é necessário o agendamento, as pessoas já fizeram esse agendamento. A gente vai trazer as amostras para Manaus para serem processadas, após uma semana é que é enviado o resultado por e-mail”, informa a coordenadora.

Após Benjamin Constant, os próximos municípios a receberem a testagem serão Coari e Itacoatiara, ainda sem data definida. “Nos municípios onde está acontecendo a pesquisa que, no caso, são Manaus e Benjamin Constant, esses dados vão ser publicados em revistas científicas. Com relação à testagem que ocorreu em Parintins e Humaitá, os resultados foram enviados para os diretores dessas unidades”, explica a pesquisadora. “A gente vai analisar os dados de Manaus, Benjamin Constant e dos dois municípios que ainda faltam aplicar a pesquisa e, a partir daí, tentar tirar conclusões sobre o que está acontecendo nesses municípios e na capital do Amazonas no que diz respeito à epidemiologia do novo coronavírus”, completa.

registrado em:
Fim do conteúdo da página