Seletor idioma

Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Ciclo de palestra discute Síndrome de Sjögren, na FM

  • Publicado: Segunda, 12 de Agosto de 2019, 10h10
  • Última atualização em Segunda, 12 de Agosto de 2019, 10h27
  • Acessos: 128

Por Sebastião de Oliveira
Equipe Ascom Ufam

O ciclo de palestra,  ‘Síndrome de Sjögren – além da cura’, ocorrido nos dias 9 e 10, no auditório Dr. Zerbini, da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Amazonas (FM/Ufam), reuniu médicos especialistas de diferentes áreas do conhecimento, professores e residentes para discutir de maneira ampla a enfermidade, visando um estudo sistêmico. O auditório fica localizado na Rua Afonso Pena, bairro Praça 14 de janeiro.    

Para a coordenadora do ciclo de palestras, professora do Departamento de Clinica Médica da FM, Rosana Barbara de Souza, devido ser bastante comum a enfermidade, é de extrema relevância a discussão do tema. Por conta disso, a docente disse que o ciclo de palestra foi o resultado da ausência de estudo mais profundo que necessitou explorar o tema para que informações sejam divulgadas sobre a enfermidade. Nesse sentido, o evento apresentou perfil multiprofissional, relatou a professora que entende que o tratamento da doença não se concentra somente na reumatologia, mas exige a atuação de outras especialidades, tais como odontologia, oftalmologia, oncologia e outras.

“Por se tratar de uma doença heterogênea e sistêmica, que envolve o comprometimento de vários órgãos do sistema e especialidades, a realização do evento tem a característica multiprofissional. Esse é o grande diferencial que envolve todos os setores da Universidade e profissionais convidados de fora da Instituição”, completou.

O presidente da Associação Brasileira de Reumatologia e professor da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC/Campinas), José Roberto Provenza disse que a Síndrome de Sjögre compõe quadro de mais 100 doenças reumáticas que ocupam lugar de destaque no diagnóstico e tratamento. O presidente dá importância ao trabalho não somente do reumatologista, mas do clínico geral, do oftalmologista, do otorrino e de outros, acreditando que a enfermidade necessita de uma visão larga e extensa.

“Portanto, é importante que o tema de tamanha monta possa ser discutido na Universidade”, disse o docente, que entende que a difusão do conhecimento, sobretudo, as doenças reumáticas carecem de informação que não seja restrita ao acadêmico residente e médico, mas também ao leigo e que seja transmitida de maneira simples.

O especialista disse que, se o paciente for portador de dor articular, fadiga, secura ocular, oral e vaginal, é importante que se procure o reumatologista para que possa fazer o diagnóstico precoce. “Essa é uma doença que afeta os olhos, as glândulas salivares e exócrinas com acometimento neurológico, pulmonar e renal graves, pois é uma doença sistêmica. A freqüência da doença é importante para que possamos falar aos residentes da Universidade, assim como aos leigos, um pouquinho dessa informação”, comentou o presidente.  

“Os doentes da síndrome acabam perambulando de consultório a consultório em busca de um diagnóstico. São pacientes que se queixam de fadiga, cansaço, alterações visuais e oculares. Em muitos casos apresentam secura vaginal, incidindo dores nas relações sexuais em que o ginecologista desconhece a patologia. Em nossa especialidade, a reumatologia deve cuidar do doente de maneira multiprofissional. Não adianta entender que ela tenha que ficar no seu nicho, porque temos facetas, interfaces com outras áreas”, afirmou.

A presidente da Sociedade Amazonense de Reumatologia, Maria do Socorro Albuquerque, disse que é a primeira vez que acontece no Amazonas um encontro nesse formato. Ela conta que a discussão se faz no âmbito da área de reumatologia, mas de forma isolada, pois é a primeira vez que é discutida de forma ampla no Amazonas. Para a presidente, a divulgação no contexto acadêmico é muito bom para que haja estudos científicos, bem como para diagnóstico de pacientes e tratamento. “Quanto mais divulgarem os sintomas da doença, mais diagnósticos serão realizados e mais pessoas serão beneficiadas com o tratamento”, finalizou a presidente.                    

O que é?

A Síndrome de Sjögren é uma doença autoimune que afeta as glândulas produtoras de lágrimas e saliva, causando olhos e boca seca. A doença pode, ainda, afetar outras partes do corpo, podendo causar problemas também aos rins e aos pulmões, por exemplo.

Causas

A causa da Síndrome de Sjögren ainda é desconhecida, mas sabe-se que se trata de uma doença autoimune, em que o sistema imunológico ataca as células e tecidos saudáveis do corpo por engano. Neste caso, o alvo desses ataques são, geralmente, as glândulas lacrimais e salivares. No entanto, a síndrome também pode afetar as articulações, músculos, a tireoide, os rins, fígado, pulmões, a pele, vagina e até mesmo os nervos.

Causas ambientais e genéticas são relacionadas à ocorrência da doença, embora os médicos ainda não saibam afirmar com certeza se alguns genes específicos ou algum comportamento em especial estejam diretamente envolvidos nas causas da Síndrome de Sjögren.

registrado em:
Fim do conteúdo da página