Alunos e Professores da Ufam participam do XI Congresso de Atividade Física e Saúde

Por Raryane Ramos
Equipe Ascom

Professores e alunos da Faculdade de Educação Física e Fisioterapia (Feff) participaram do XI congresso Brasileiro de Atividade Física e Saúde – Nossos 20 anos: Conquistas e desafio para a próxima década. Realizado pelo Núcleo de Pesquisa em Atividade Física e Saúde (NuPAF), o Centro de Desportos e a Sociedade Brasileira de Atividade Física e Saúde.

Acontecido entre os dias 17 e 22 de novembro no Centro de Cultura e Eventos da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). As professoras Minerva Leopoldina e Roseanne Autran e mais de 19 discentes estiveram presentes no maior congresso brasileiro de Atividade Física e Saúde, e apresentaram trabalhos científicos desenvolvidos por pesquisadores da Feff.

Neste ano, os trabalhos aprovados e apresentados no XI CBAFS serão publicados em Edição Suplementar da Revista Brasileira de Atividades Física & Saúde (RBAFS). As temáticas dos trabalhos eram sobre Boas Práticas em Atividade Física e dividiam-se em quatro: “Adultos e Idosos”, “Crianças e Adolescentes”, “Grupos Especiais”e “Pessoas com Deficiência”.


Sobre o evento

O Congresso Brasileiro de Atividade Física e Saúde (CBAFS) teve sua primeira edição em 1997.  O evento que acontece a cada dois anos, teve suas seis primeiras edições em Florianópolis/SC (1997, 199, 2001, 2003, 2005, 2007) sob a coordenação do Núcleo de Pesquisa em Atividade Física e Saúde (Nupaf) em parceria com o Programa de Pós-Graduação em Educação Física e o Centro de Desportos.  Em sua última edição na UFSC foi criada a Sociedade Brasileira de Atividade Física e Saúde (SBAFS), presidida pelo professor Markus Vinicius Nahas.

Em 2017, com 20 anos de Criação do CBAFS e 10 anos de Fundação da SBAFS. O evento foi realizado pelo Nupaf, o Centro de Desportos e a Sociedade Brasileira de Atividade Física e Saúde, sob a presidência da professora Kelly Samara da Silva. 

 

Professores da Ufam ganham prêmio Celso Furtado de Desenvolvimento Regional

 
Por Carolina Lemos
Equipe Ascom

Os professores da Ufam Jonas da Silva Gomes Júnior, da Faculdade de Informação e Comunicação da Ufam (FIC), e Armando Araújo de Souza Júnior, da Faculdade de Estudos Sociais (FES), foram premiados com o primeiro e segundo lugar, respectivamente, na quarta edição do Prêmio Celso Furtado de Desenvolvimento Regional. Os trabalhos concorreram na categoria ‘Amazônia - Tecnologia e Inovações para o PRDA’.

O Prêmio Celso Furtado de Desenvolvimento Regional, do Ministério da Integração Nacional, tem como objetivo promover a reflexão sobre desenvolvimento regional no Brasil, discutindo com o poder público e a sociedade civil organizada a identificação de medidas concretas para a redução das desigualdades sociais entre as regiões brasileiras e a promoção da equidade no acesso a oportunidades de desenvolvimento.

Prof. Jonas Júnior. Foto: Morgana Rodrigues.Prof. Jonas Júnior. Foto: Morgana Rodrigues.Para o professor Jonas, essa conquista não é individual, mas sim de toda a Universidade. “Resolvi me inscrever para divulgar minha tese ‘ONG’s transnacionais e os sentidos de sustentabilidade amazônica: Imaginário, discurso e poder’, desenvolvida no Programa de Pós-Graduação em Sociedade e Cultura na Amazônia (PPGSCA), orientada pelo professor Walmir de Albuquerque Barbosa. Fico feliz por ser agraciado com o maior prêmio de desenvolvimento regional do país. É uma demonstração que a tese tem um forte impacto social, político e cultural, possibilitando uma reflexão sobre a sustentabilidade amazônica. Trata-se de um trabalho que aponta para um olhar diferenciado da sustentabilidade na região, superando a visão fragmentária e reducionista”, afirmou Jonas.

O trabalho do professor Jonas propõe uma reflexão sobre os processos de significação e as práticas discursivas das ONGs transnacionais ligadas ao movimento ambientalista, estabelecendo relações entre o discurso da Sustentabilidade Amazônica, a construção de imaginários e a ‘espetacularização do verde’ no mundo globalizado. Acesse a tese completa no link: http://tede.ufam.edu.br/handle/tede/5689

O professor Armando afirma estar muito feliz com a premiação. “Essa premiação em dobro é uma grande Prof. Armando JúniorProf. Armando Júniorconquista para a Ufam. Minha tese ‘Avaliação de Políticas Industriais de Formação de Polos e Zonas Francas sob o Paradigma de Cadeias de Suprimentos’, defendida no CEPEAD/UFMG (Dinter/2010 em Administração UFMG/Ufam), orientada pelo professor Ricardo Silveira Martin, já foi premiada em 2014 com o prêmio UFMG de Teses (área Administração) e apresentada em congressos nacionais e internacionais nos EUA e na Suíça”, declarou Armando.

O trabalho do professor Armando Júnior investigou o relacionamento dos fornecedores locais de primeira camada com cinco empresas focais do subsetor eletroeletrônico do Polo Industrial de Manaus, bem como buscou qualificar os condicionantes para atração de fornecedores estratégicos para Polos e Zonas Francas distantes dos grandes centros consumidores e fornecedores de insumos.

A cerimônia de outorga do prêmio está prevista para o dia 05 de dezembro, às 15h, no auditório do Ministério da Integração Nacional, em Brasília.

 

 

 

Faculdade de Estudos Sociais divulga edital para eleição de chefia e coordenação de cursos

A Faculdade de Estudos Sociais (Fes) comunica que está aberto, de 22 a 27 de novembro, período de inscrição para eleição de Chefe, Subchefe e Coordenadores noturnos e diurnos dos Departamentos de AdministraçãoEconomia e Análise e Contabilidade, conforme edital em anexo.

Poderão se candidatar professores efetivos do quadro permanente, lotados nos referidos departamentos, e as inscrições podem ser feitas na secretaria, localizada no andar superior do prédio da Faculdade de Estudos Sociais, das 09h às 17h.

Servidores da Proplan participam de treinamento da Plataforma FORPDI

Ferramenta permite gerir o Plano de Desenvolvimento Institucional das instituições em tempo real, de forma colaborativa, eficiente, rápida e segura

Por Ismael dos Santos (Equipe Ascom) e Herbett Rodrigues (Proplan)

Servidores do Departamento de Planejamento Institucional (DPI), da Pró-reitoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional (Proplan), Herbett Rodrigues (estatístico e diretor do departamento), Márcio Augusto e Juliana Verçosa (administradores), participaram entre os dias 7 e 9 de novembro, na Universidade Federal de Lavras (UFLA), de um treinamento da ferramenta FORPDI, plataforma aberta criada pela ProGolden Soluções Tecnológicas, empresa incubada na UFLA, para gestão e acompanhamento do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) de universidades federais e outras instituições públicas (Saiba mais).

A participação do departamento na capacitação surgiu à convite da pró-reitora da Proplan, professora Kleomara Gomes Cerquinho, que conheceu o FORPDI em uma reunião do Fórum Nacional de Pró-Reitores de Planejamento das Instituições Federais de Ensino Superior (Forplad).

O treinamento, ministrado pelos pesquisadores André Luiz Zambalde, Guilherme Henrique Alves Borges e Everton Leonardo de Almeida, teve como objetivo apresentar aos servidores da Ufam como a plataforma FORPDI deve ser utilizada. A proposta é oferecer suporte para acompanhamento e gestão de planos de indicadores e metas das instituições, atendendo à metodologia tanto de elaboração quanto de acompanhamento do plano.

Para o diretor do DPI, Herbett Rodrigues, a plataforma trará uma série de vantagens para a Ufam quando adotada. “O FORPDI permitirá à universidade cadastrar, executar, monitorar e corrigir de maneira transparente, eficiente, colaborativa, rápida (on-line) e segura dos objetivos, metas, ações e indicadores do Planejamento Estratégico da Instituição. Isso proporciona à Ufam a possibilidade de consolidação e execução de uma estratégia de alto nível, com transparência, engajamento, autoconhecimento e responsabilidade, impulsionando o seu crescimento”.

Olimpíadas da Ufam/Parintins premia vencedores e elege rainha

Por Ismael dos Santos (Equipe Ascom) e Carlos Alexandre Ferreira

Evento faz parte das comemorações dos 10 anos de implantação da universidade no município

Coordenação da olimpíada. Foto: Glenda Dinely da SilvaCoordenação da olimpíada. Foto: Glenda Dinely da Silva

No último domingo, 19, o Instituto de Ciências Sociais, Educação e Zootecnia (Icsez/Ufam) em Parintins realizou na quadra do Serviço Social da Indústria (Sesi), Centro Integrado Padre Francisco Lupino, a cerimônia de encerramento dos jogos olímpicos com a premiação dos vencedores das nove modalidades (individuais e coletivas) e a escolha das rainhas dos cursos (Confira os vencedores dos jogos ao final da matéria).

O diretor do instituto, professor doutor José Luiz Pereira da Fonseca, ao entregar troféus e medalhas, destacou que o Icsez/Ufam se firma como uma instituição que atende ao baixo Amazonas e outras regiões, com ensino, pesquisa e extensão. “É com muita felicidade que hoje temos um evento que não reúne apenas a classe acadêmica, mas a comunidade”, comemorou. A unidade acadêmica oferta ao município os cursos de Administração, Artes Visuais, Comunicação Social - Jornalismo, Educação Física, Pedagogia, Serviço Social e Zootecnia.

A acadêmica de Zootecnia Eliz Azêdo foi a vencedora do concurso de Rainha da Olimpíada Icsez 10Diretor José Luiz entrega medalhas aos vencedores. Foto: Glenda Dinely da SilvaDiretor José Luiz entrega medalhas aos vencedores. Foto: Glenda Dinely da Silva anos. Ela venceu a competição que teve no corpo de jurados o coreógrafo do Boi Garantido, Adriano Paquetá, o coreógrafo do Boi Caprichoso, Erick Beltrão, e a servidora do Liceu de Artes e Ofícios Cláudio Santoro, Suzane Bulcão. As demais concorrentes foram; Ingrid Alves, de Serviço Social, Kamila Farias, de Pedagogia, Sthephanie Farias, de Comunicação Social, Dyandra Andrade, de Educação Física, e Larissa Batista, de Artes Visuais. Eliz comemorou a vitória com os colegas de curso que ainda levaram o título de melhor torcida.

O coordenador acadêmico do instituto, professor Tiago Viana, assegura que a competição cumpriu o objetivo de comemorar os 10 anos do Icsez em Parintins, confraternizar os acadêmicos dos sete cursos da instituição e ainda promover a interação com a comunidade. “Que venham muitas outras décadas desta instituição que nos enche de orgulho, pois além de cumprir o tripé pesquisa, ensino e extensão, promove ações que vão além dos muros da universidade”, salientou.

Rainhas dos cursos. Foto: Glenda Dinely da SilvaRainhas dos cursos. Foto: Glenda Dinely da SilvaO treinador da equipe de Jornalismo, na modalidade queimada feminino, Onan Ferreira, emocionou-se durante a conquista da medalha de prata. Ao ser abraçado pela equipe e receber agradecimento das acadêmicas, ele foi tomado pela emoção. “Depois do último apito, da finalização do jogo, veio o abraço. O abraço que não apontou culpados pela derrota. Mas o abraço que selou a amizade de pessoas que tiveram desde o início o espírito esportivo e comemorativo do evento”, escreveu Onan em uma rede social.

“São histórias de emoção, de superação e de confraternização que nos emocionam e ficam para a história”, destaca a professora Lídia Keila, da comissão organizadora da olimpíada.

A Olimpíada Icsez 10 anos contou com o apoio da Secretaria de Estado de Juventude Esporte e Lazer (Sejel), Serviço Social do Comércio (Sesc), Sesi/Padre Francisco Lupinno e Ifam que cederam quadras e a piscina para a realização das modalidades.

Confira os vencedores

Equipes no pódio. Foto: Glenda Dinely da SilvaEquipes no pódio. Foto: Glenda Dinely da Silva

Uno

Cayo Vinicius – ouro – CS Jornalismo

Thais Barros – prata – CS Jornalismo

Nathália Modesto – bronze – Serviço Social

 

Tênis de Mesa

John Nilson – ouro – Zootecnia

Felipe Oliveira – prata – Administração

Marcelo Sarraf – bronze – Servidores

 

Xadrez

Ronan Negreiros – ouro – Zootecnia

Rafael Barata – prata -  Zootecnia

Scharlyngton Rabelo – bronze – Administração

 

Corrida Masculino

Vandeilson de Souza – ouro – Educação Física

Inafran Souza – prata – Educação Física

Kenner Marques – bronze – CS Jornalismo

 

Corrida Feminino

Elizandra Garcia – ouro – Educação Física

Andressa Moraes – prata – Educação Física

Raiane Lima – bronze – Educação Física

 

Futsal Masculino

Lef Parintins – ouro – Educação Física

Servidores – Prata

Borussia Lef – bronze – Educação Física

 

Futsal Feminino

Lef Aila – ouro – Educação Física

Spartanas – prata – Educação Física

Zootecnia – bronze

 

Handebol Masculino

Administação – ouro

Spartanos – prata – Educação Física

Zootecnia – bronze

 

Dominó

Leda Andrade e Williamy Gato – ouro – Educação Física

Hélder Mourão e Rinna Sales – prata – CS Jornalismo

Willian e César – bronze – Serviço Social

 

Natação Feminino

Armanda Pessoa – ouro – Zootecnia

Graciene Tavares – prata – Serviço Social

Geane Rolim – bronze - CS Jornalismo

 

Natação masculino

Luciano Coelho - ouro - Educação Física

Clariano Santos - prata - Serviço social

Thiago Lopes - bronze - Zootecnia

 

Revezamento masculino

Erlesson - ouro - Educação Física

Carlos Edinei - ouro - Educação Física

Carlos Elias - ouro - Educação Física

Aldeir - ouro - Educação Física

Luciano coelho - prata - Educação Física

Clariano Santos - prata - Serviço social

Christopher Queiroz - prata - Educação Física

Renner Vilas Boas - prata - Educação Física

 

Queimada masculina

Spartanos - ouro

Administração - prata

Zootecnia - bronze

 

Queimada feminino

LEF Maléficas - ouro - Educação Física

WINX - prata - CS Jornalismo

Spartanas - bronze - Educação Física

 

Volei masculino

Zootecnia - ouro

Borussia LEF - prata - Educação Física

CS Jornalismo - bronze

 

Volei feminino

Zootecnia - Ouro

Educação Física - Prata

 

Notícia relacionada

Ufam em Parintins realiza Olimpíada para comemorar 10 anos de implantação do instituto

 

Feudan reúne cenário da dança em Manaus

Por Maria Carolina e Marion Litaiff
Equipe Ascom

A décima oitava edição do Festival Universitário de Dança (Feudan), organizado pelo Programa de Dança, Atividades Circenses e Ginásticas da Ufam (Prodagin), teve início no último sábado, 18, no Teatro La Salle, localizado no Bairro Dom Pedro. Foram 180 apresentações de mais de quarenta e cinco companhias de dança da cidade em três noites consecutivas de competição.

As performances foram avaliadas por uma Comissão Julgadora, composta por personalidades do meio artístico da dança. Os três primeiros colocados de cada categoria e estilo receberam medalhas e troféus. Já as três melhores coreografias na noite geral receberam prêmios em dinheiro. Além dos prêmios, as 25 melhores apresentações foram selecionadas para a Noite dos Campeões, que acontecerá no dia 29 de novembro, no Teatro Amazonas.

O Feudan começou no ano de 2000, como uma iniciativa da professora aposentada Chang Yen Yin e do egresso da Universidade, Daniel Coelho. De acordo com a professora Lionela da Silva Corrêa, professora da Faculdade de Educação Física e Fisioterapia (Feff) e coordenadora do festival, “eles dois conseguiram fazer com que o Feudan se tornasse um grande evento de dança em Manaus. Hoje o evento é muito conhecido e muito esperado pela maioria das academias de Manaus. Este ano, as companhias de dança estão muito empolgadas, porque muitas delas nunca se apresentaram no Teatro Amazonas, então é uma expectativa de muitos”, disse a professora.

Participando pela companhia Ulisses Aquino, a bailarina Beatriz Paiva afirma ter se preparado com antecedência para competir. “Nós participamos do Feudan ano passado e foi uma experiência incrível. Este ano eu espero que seja melhor ainda, porque nos esforçamos bastante para que tudo saísse perfeito e para que os jurados gostassem muito.”

Os grupos participaram com coreografias em cinco estilos: Clássico e Neoclássico, Moderno e Contemporâneo, Danças Urbanas, Danças Populares e Jazz. Solos, duos, trios e conjuntos podem competir. As apresentações foram divididas em sete categorias classificadas por faixa etária: Baby, Infantil, Juvenil I, Juvenil II, Adulto, Avançado e Terceira Idade.

 

Selecionados para a Noite dos Campeões:

Academia de Dança Helena Ribeiro – Esmeraldas

Backstage Studio de Dança – Éon

Backstage Studio de Dança – Soft

Centro de Artes Irmã Iolanda Satuba – Arco Íris

Centro Educacional Santa Terezinha – Banho de Piscina

Centro Educacional Santa Terezinha – Meu Lugar é aqui

Centro Educacional Santa Terezinha – Noite Mexicana

Centro Educacional Santa Terezinha – Valerie

Centro Municipal de Arte Educação Nelson Neto – A Sevilhana

Cia de Dança Artes sem Fronteiras – Serpentário

Cia de Dança do Ventre Adriana Amazonas – Baladi

Coletivo Jazz – Café Paris

Escola de Dança Mônica Loureiro – Cinderela

Escola de Dança Mônica Loureiro – Pequeno Príncipe

Eu, Você e a Cultura – Dançando para quebrar regras

Holograma – Balé Negro

La Salle Cia de Dança – Carlitos

La Salle Cia de Dança – Obscuro

La Salle Cia de Dança – Só quero o Leve da Vida

La Salle Cia de Dança – Viagem as Centro da Terra

República da Dança – Pandora

Ritmos Pacheco do CMAE Anibal Beça – Ode a Habeas Corpus

The Fusion Norte Company – Liberdade

The Fusion Norte Company – No Romper da Madrugada

Ulisses Aquino Espaço de Dança – Um maluquinho no Pedaço

 

 

 

Professora Renilda Aparecida Costa recebe homenagem em sessão especial na Assembleia Legislativa

A Sessão Especial para homenagear o Dia da Consciência Negra foi proposta pelos deputados estaduais Alessandra Campelo, José Ricardo e Luiz Castro.

Apresentações culturais marcaram a Sessão Especial alusiva ao Dia da Consciência NegraApresentações culturais marcaram a Sessão Especial alusiva ao Dia da Consciência NegraPor Márcia Grana
Equipe Ascom Ufam

Em sessão especial alusiva ao Dia da Consciência Negra, realizada no Plenário Ruy Araújo da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas, na manhã desta terça-feira, 21, a professora  Renilda Aparecida Costa foi uma das nove homenageadas pelo destacado trabalho na área de Estudos Afro-indígenas.

Com uma agenda acadêmica que envolve o estudo de relações raciais e de educação no Brasil, a professora Renilda é docente do Programa de Pós-Graduação em Sociedade e Cultura na Amazônia e coordenadora do Núcleo de Estudos Afro-indígenas, vinculado ao Instituto de Natureza e Cultura (INC), unidade da Universidade Federal do amazonas (Ufam) no município de Benjamin Constant.

Ao destacar que a homenagem é bem-vinda, a pesquisadora ressalta que a condecoração é dirigida a toda Ufam. "Embora nosso trabalho não seja feito para recebermos homenagens, fiquei muito lisongeada. Escolhi o Amazonas como um lugar onde vou passar boa parte de minha vida e me sinto muito feliz em viver e realizar meu trabalho aqui. Quando li o convite da assembleia, vi que fazia alusão ao trabalho que tenho realizado ao longo de vinte anos, tanto no Amazonas, quanto no sul do país, mais especificamente no Núcleo de Estudos Afro-indígenas, vinculado ao Instituto Natureza e Cultura, e também ao trabalho desenvolvido no Programa de Pós-Graduação em Sociedade e Cultura no Amazonas, mas entendo que a homenagem é de caráter institucional, pois sou ligada à Universidade Federal do Amazonas, com uma agenda acadêmica que envolve o estudo de relações raciais no Brasil, identidade nacional, religião de matriz africana e intolerância religiosa. Falo da importância dele e de outros trabalhos porque o não querer ver ainda é muito presente. Os trabalhos desenvolvidos, seja pelo Programa Sociedade e Cultura, seja pelos afro-indígenas ou pelos movimentos sociais ou comunidades tradicionais de terreiro têm esse escopo de trazer a contribuição do povo negro no Brasil e no Amazonas”, declarou a professora Renilda.

Professora Renilda Aparecida e demais homenageadosProfessora Renilda Aparecida e demais homenageadosHomenageados

Também receberam a homenagem, juntamente com a professora Renilda Costa, o coordenador do Fórum Permanente de Afrodescendentes do Amazonas, professor Gláucio da Gama Fernandes; o instrutor Regente do Liceu de Artes e Ofícios Cláudio Santoro (unidade Parintins), Cícero Antônio da Silva; a coordenadora da Marcha das Mulheres Negras Francimar Santos Júnior; o mestre da escola Matumbé de capoeira, Luiz Carlos Bonates; o coordenador do Grupo de Capoeira Raízes José Roberto Rodrigues; a professora Arlete Anchieta e o zelador de umbanda Eliézio Pinheiro.

Discurso dos Propositores

Citando pesquisas e informações governamentais, a deputada Alessandra Campelo, uma das propositoras da homenagem, ressaltou que o preconceito ainda é uma realidade no Brasil. " Percebi, no Dia da Consciência Negra, com muita decepção, que as pessoas ainda questionam bastante a razão de se ter um dia para se refletir sobre a consciência negra. Parece que precisamos lembrar o óbvio, que o racismo deve ser combatido todos os dias. São muitas as pessoas que não reconhecem que o racismo existe em nosso país, embora a violência afete muito mais as pessoas negras. Como mulher, sei que sofremos violência, mas a mulher negra sofre ainda mais. A mulher negra é a maior vítima de mortalidade materna, de violência obstétrica. Elas são quase 70% das mulheres mortas por agressão, com duas vezes mais chances de serem assassinadas do que mulheres brancas. Dos desempregados em nosso país, 64% são negros; das pessoas que trabalham como domésticos, 66%. Como se pode dizer, então, que não existe racismo em nosso país e que não é necessário o dia da consciência negra? Então, como parlamentar, acho que temos pouco a comemorar e muito a trabalhar para criarmos oportunidades. Temos que ter políticas públicas de saúde, de juventude, para as mulheres, de combate à violência para a população amazonense e políticas específicas de igualdade racial. Não podemos negar a desigualdade racial que existe em nosso país e em nosso estado", ressaltou a parlamentar.

O deputado José Ricardo mencionou as matérias jornalísticas sobre o Dia Nacional da Consciência Negra e afirmou que tudo o que leu o levou a concluir que os avanços no combate ao racismo ainda são muito tímidos. "Avançou-se pouco. Ao consultar o Estatuto da Igualdade Racial, aprovado à base de muita luta, percebemos que, da aprovação para cá, se formos olhar as políticas que foram implementadas no Estado do Amazonas realmente chegamos à conclusão de que são tímidas, muito tímidas. Agora, nesse momento em que se vai discutir o orçamento do Estado, seria o momento certo para definir prioridades e a alocação de recursos para garantir políticas afirmativas, política de direitos, as quais precisariam ser encaminhadas, não só pelo poder público, mas também através de parcerias com a sociedade civil. Queremos chegar a um dia em que não precisemos fazer mais manifestações desta natureza; que o preconceito seja apenas um triste episódio do passado.

O deputado Luiz Castro destacou que o Dia da Consciência Negra é indispensável para que as pessoas tenham consciência histórica das injustiças, não apenas do período da escravidão, como também do período subsequente, marcados pelo preconceito e pela discriminação. “Nós nos perguntamos onde está a paz, o amor e a caridade de uma sociedade que se diz cristã desde a chegada de Pedro Álvares Cabral até os dias de hoje, quando ainda assistimos a tanta violência, discriminação contra os terreiros de umbanda, contra as religiões de matriz africana que são assediadas por ameaças e ataques de pretensos cristãos, mesmo quando sabemos que Cristo não advogou esse tipo de atitude de violência e discriminação aos diversos modos de expressar a fé. Vivemos em uma sociedade que se declara cristã, ao mesmo tempo em que carrega enorme carga de preconceito. Quando se fala em dia da consciência negra, acompanhamos uma série de ataques. Fico impressionado quando perguntam por que temos que ter o Dia da Consciência Negra. Eu respondo enfaticamente que é para que tenhamos consciência histórica das injustiças, não apenas do período da escravidão, como também do período subsequente, do período da pós-escravidão, em que sobreviveram o preconceito e a discriminação”, ressaltou o deputado.

A Sessão Especial foi finalizada com apresentações culturais protagonizadas pelos homenageados.

Curso de Engenharia Florestal comemora 30 anos com promoção de Semana Acadêmica

Durante a solenidade de abertura do evento, o reitor da Ufam, professor Sylvio Puga, foi homenageado pelos organizadores da Semana Acadêmica com placa comemorativa em reconhecimento a todo o apoio institucional voltado ao curso de Engenharia Florestal.

Por Márcia Grana
Equipe Ascom Ufam

Até a próxima sexta-feira, 24, o curso de Engenharia Florestal da Universidade Federal do Amazonas realiza sua semana acadêmica. A edição deste ano é alusiva aos 30 anos da graduação e tem o diferencial de promover a primeira edição da ExpoFloresta, iniciativa que reúne empreendedores do setor florestal em Manaus.

Durante a abertura do evento, o reitor da Ufam, professor Sylvio Puga, destacou o caráter estratégico da área de Engenharia Florestal para a região amazônica e para o mundo. “Há trinta anos, sob liderança do reitor Roberto Vieira e do Conselho Universitário, criou-se o curso de Engenharia Florestal na Ufam. Estamos aqui celebrando toda uma trajetória que se ergueu, mas sabemos que 30 anos não podem significar que chegamos a um patamar de estabilidade, mas sim que temos novos desafios. Por exemplo, atualmente, na Ufam, debatemos para que a questão do Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA) seja resolvida. Para tal, a contribuição dos profissionais de Engenharia Florestal é indispensável. Este é apenas um exemplo de desafio para a área de Engenharia Florestal, um campo que possui inúmeras possibilidades, sem contar que estamos na Amazônia, uma região estratégica para a humanidade e para os profissionais da área de vocês. Logo, preparem-se para os próximos trinta anos; para que os desafios que se apresentarem sejam colocados em uma perspectiva global e não apenas em uma agenda regional. O desafio é enorme. Aos professores que tem a missão de ensinar, transmitir, pesquisar, nossos parabéns pela dedicação, empenho para que pudéssemos comemorar tantas conquistas ao longo de três décadas”, discursou o reitor.

Alunos, professores e demais pesquisadores prestigiaram a abertura do eventoAlunos, professores e demais pesquisadores prestigiaram a abertura do evento

Egresso da terceira turma do curso de Engenharia Florestal, o coordenador geral do evento, professor Francisco Tarcísio Moraes Mady, agradeceu o empenho de todos os organizadores da Semana Acadêmica. "Esse evento é fruto de seis meses incessantes de trabalho. Foram realizadas mais de trinta reuniões para preparar a nossa Semana Acadêmica e conseguimos trazer os melhores pesquisadores da área, que vieram de várias partes do país. Todas as pessoas que estão aqui são muito importantes. Eu teria centenas de coisas para falar mas, em resumo, apenas desejo que seja um bom evento para todos. Aproveitem a programação que preparamos com tanto carinho”, ressaltou o professor.

O chefe do Departamento de Ciências Florestais, professor Nabor da Silveira Pio, destacou conquistas do curso e a necessidade de investimento contínuo. “Acompanhei de perto o grande esforço do professor Tarcísio e dos nossos alunos para a realização desse evento. São trinta anos de Engenharia Florestal e eu sou um dos egressos do antigo convênio com a Universidade Federal do Paraná, que antecedeu a criação do curso de Engenharia Florestal na Ufam. Ainda hoje, parte do nosso Departamento segue a perspectiva visionária do reitor Roberto Vieira. Já criamos um curso de Mestrado; melhoramos a infraestrutura mas precisamos de mais recursos para fortalecer nossas ações, investir em química fina, em nanotecnologia para continuar a construir uma história bem-sucedida”, enfatizou o docente.

O Secretário de Estado de Meio Ambiente (SEMA) e diretor do Instituto de Proteção Ambiental do Estado do Amazonas (IPAAM), Marcelo Dutra, destacou que é uma honra voltar à Ufam e contribuir com os debates da área. “Acabei de sair do doutorado aqui no Centro de Ciências do Ambiente e é muito bom retornar à Ufam e poder contribuir com debates tão importantes. Ao assumir a Secretaria, há cinco semanas, o primeiro convite que estava na minha mesa era o desse evento e estou aqui por considerar que a Engenharia Florestal é um curso em ascensão e está inserida na pauta ambiental planetária e temos muito conhecimento a construir em parceria”, declarou o Secretário de Meio Ambiente.

Reitor Sylvio Puga foi homenageado durante a abertura do eventoReitor Sylvio Puga foi homenageado durante a abertura do evento

A Vice-diretora da Faculdade de Ciências Agrárias, professora Maria Tereza Lopes “Para a Faculdade de Ciências Agrárias é uma honra recebê-los neste evento. Também desejo parabenizar a coordenação do evento que, para mim, atingiu uma dimensão muito grande maior do que eu esperava. Estou muito feliz em ver a dedicação de nossos professores, de nossos estudantes e parceiros na realização desta semana acadêmica, que é de suma importância para a nossa Faculdade” declarou a gestora.

A coordenadora do curso de Engenharia Florestal, professora Narrúbia Martins, enfatizou a alegria de ver tantos pesquisadores da área contribuindo com a Semana Acadêmica. “É uma grande satisfação tê-los nesta semana festiva que encerra nossas comemorações de 30 anos do curso. Nosso corpo docente é formado por vários egressos. Agradeço também a presença de tantos pesquisadores que vieram até aqui para colaborar com o evento. É uma grande honra recebê-los aqui. Nossos agradecimentos a todos que se empenharam bastante”.

Após os discursos, o reitor da Ufam foi homenageado pelos organizadores do evento com uma placa alusiva aos trinta anos do curso de Engenharia Florestal. Os docentes de Engenharia Florestal ressaltaram o irrestrito apoio institucional às iniciativas do curso.

Conferências científicas com pesquisadores do Brasil e do exterior; minicursos; apresentações orais de pesquisas, eventos culturais integram a programação do evento, que acontece na Faculdade de Ciências Agrárias até a próxima sexta-feira, 24 de novembro.

Confira notícia relacionada em 

Curso de Engenharia Florestal comemora 30 anos com semana acadêmica entre os dias 21 e 24 de novembro

  

 

 
 

IX Colóquio Nacional sobre Investigação em Educação da Afirse ocorre na Ufam

Mesa foi composta por gestores da Ufam, representante da Seduc-AM, professora Luciana Brito, e convidados internacionaisMesa foi composta por gestores da Ufam, representante da Seduc-AM, professora Luciana Brito, e convidados internacionaisAs atividades incluem conferências, simpósios, mesas-redondas, sessões coordenadas e ateliês
 
Por Cristiane Souza
Equipe Ascom

A Associação Francofone Internacional de Pesquisa Cientifica em educação/Secção Brasileira promove, na Universidade Federal do Amazonas (Ufam), até esta sexta-feira, 24 de novembro, a 9ª edição do Colóquio Internacional, para debater sobre desafios, avanços e perspectivas dos seus 20 anos de investigação em Educação. A abertura reuniu, na terça, 21, no auditório Alalaú da Faculdade de Educação (Faced), setor Norte do Campus, cerca de 150 participantes.

A recepção do evento foi intermediada pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) e o Colóquio reúne pesquisadores do campo educacional do Brasil e de países como França e Portugal, possibilitando o compartilhamento de resultados de investigações nessa área. Para saber mais sobre o evento e a programação, acesse http://afirse.com.br/coloquio.

O reitor, professor Sylvio Puga, ao realizar a abertura, enfatizou a relevância de eventos como esse, cujo enfoque é debater a educação de um ponto de vista crítico e estratégico, repensando a pesquisa e discutindo desafios, avanços e perspectivas. “Eu faço alusão ao tema porque ele se aproxima muito das linhas de investigação do nosso PPG. Neste encontro, será ainda mais propício o intercâmbio de conhecimento na área da Educação”, observou.

Participam do colóquio cerca de 150 pesquisadores em Educação do Brasil, da França e de PortugalParticipam do colóquio cerca de 150 pesquisadores em Educação do Brasil, da França e de PortugalJá a coordenadora do PPGE, professora Arminda Mourão, destacou ser esta a segunda vez que o colóquio é sediado pela Universidade: “Em 2005, a professora Rosa Brito intermediou a realização do terceiro evento da Secção Brasil”. Conforme explica a docente, nesta nona edição, possibilitada pela presença de pesquisadores do Piauí, do Ceará, de São Paulo, do Rio Grande do Norte e ainda do exterior, a expectativa é no sentido de uma troca de conhecimentos entre e de uma aproximação que poderá resultar em parcerias.

O evento divide-se em sete eixos temáticos: Formação profissional - políticas e práticas; Educação Inclusiva e diversidades - avanços e desafios; Educação e Tecnologia da Informação e da Comunicação - desafios para as práticas educativas; Práticas Pedagógicas - abordagens críticas; Currículo e Gestão da Educação - desafios contemporâneos; Educação Superior - desafios para o ensino crítico; e Identidades, educação e os desafios amazônicos. Segundo a professora Arminda, esta última mesa foi especialmente encomendada para o Amazonas. “Nós teremos somente professores da Ufam conduzindo essa disscussão”, argumentou. A participação da Secretaria de Estado da Educação (Seduc) também foi destacada pela docente, o que possibilita aos professores da educação básica uma maior proximidade da pesquisa científica.Professor José Pires foi um dos fundadores da Secção Brasil da Afirse. Ele trabalha com temáticas da Educação há mais de 40 anosProfessor José Pires foi um dos fundadores da Secção Brasil da Afirse. Ele trabalha com temáticas da Educação há mais de 40 anos

Conferência

A conferência inaugural ficou sob a responsabilidade do professor José Pires, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), tendo como mediadora a professora Fabiane Garcia, vice-coordenadora do PPGE. “Tive a oportunidade de, há 12 anos, participar do evento como mestranda. E hoje estou aqui como docente e mediadora desta conferência. Então, posso dizer que o colóquio é parte do meu amadurecimento intelectual”, afirmou a professora.

O conferencista atua na área da Educação desde a década de 1970. Com formação nas áreas de Letras e Pedagogia, o português naturalizado brasileiro, professor José Pires foi um dos fundadores da Secção Brasil da Afirse. “É interessante que nós nos reunimos com a atual presidente da Secção brasileira do Colóquio e definimos o tema dos 20 anos da Afirse no País. Nosso objetivo, com a conferência é enfatizar, sobretudo, as realizações feitas aqui no Brasil. Chegamos a ter 175 professores pesquisadores associados das diferentes regiões”, informou.

Ele enfatizou, ainda, a atuação mais dinâmica do Norte/Nordeste nos últimos anos. “Podemos destacar o Amazonas, o Piauí, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Paraíba. Essas unidades universitárias têm se revezado na realização do colóquio nacional”, destacou.

Professor do curso de História lança livro sobre índios cristãos

 
Por Marion Litaiff
Equipe Ascom

O professor do curso de História da Universidade Federal do Amazonas, Almir Diniz de Carvalho Jr, lançou em Belém, no dia 13 de novembro, o livro ‘Índios Cristãos: poder, magia e religião na Amazônia colonial’. O evento aconteceu na Livraria da Fox, localizada no bairro Nazaré, centro da capital paraense.

A nova publicação do autor, que também escreveu e organizou em parceria o livro ‘A Amazônia dos Viajantes - História e Ciência’, publicado pela Editora da Universidade Federal do Amazonas em 2011, fala sobre os Índios Cristãos, a maneira como se converteram ao cristianismo, de que modo se inseriram na ordem colonial e quais as formas por eles utilizadas para construírem espaços autônomos e sobreviverem cultural, política e socialmente.

Sobre o autor

Almir Diniz é graduado em História pela Universidade de Brasília, mestre e doutor em história social pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. É professor da Universidade Federal do Amazonas desde 1993, atuando no Departamento de História e nos Programas de Pós-Graduação em História e em Antropologia.  É autor de artigos em periódicos científicos nacionais e internacionais e de diferentes capítulos de livros editados em várias regiões do país como: Paraná, Santa Catarina, Maranhão, Amazonas. O professor também é membro do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas – IGHA.

O livro ‘Índios Cristãos: poder, magia e religião na Amazônia colonial’ está disponível para compra por meio do link https://goo.gl/muQFcQ

IFCHS realiza consulta para escolha de nova direção nesta quarta-feira (22)

Por Ismael dos Santos
Equipe Ascom

A comunidade acadêmica do Instituto de Filosofia, Ciências Humanas e Sociais (IFCHS), antigo Instituto de Ciências Humanas e Letras (ICHL), participa nesta quarta-feira, 22, da consulta para a escolha da nova direção do instituto. Concorrem aos cargos de diretor e vice duas chapas, formadas pelos docentes:Candidatos participaram de um debate no dia 14 de novembro. Da esquerda para direita, professor Nelcioney Araújo, Dhyene dos Santos (Membro da Comissão Eleitoral) e o professor Nonato Pereira Candidatos participaram de um debate no dia 14 de novembro. Da esquerda para direita, professor Nelcioney Araújo, Dhyene dos Santos (Membro da Comissão Eleitoral) e o professor Nonato Pereira

Chapa 10 - professores Nonato Pereira (Antropologia) e Keith Barbosa (História);

Chapa 12 - professores Nelcioney Araújo (Geografia) e Thiago Jacaúna (Ciências Sociais).

O pleito terá início às 8h30 e término às 21h. O local de votação é no hall da cantina do instituto. Ao todo 2007 votantes, entre professores, técnicos (ativos e aposentados) e alunos (graduação e pós-graduação) participam da escolha da nova gestão. A apuração dos votos será na Sala de Reuniões do instituto. Confira as propostas dos candidatos (Acesse).   

Notícia relacionada

Comissão Eleitoral do IFCHS divulga calendário da consulta para a escolha dos novos gestores

 

Missa de Sétimo Dia – professor aposentado Paulo dos Anjos Feitoza

Paulo Feitoza foi professor por 25 anos na Faculdade de Direito. Foto: TJ-AMPaulo Feitoza foi professor por 25 anos na Faculdade de Direito. Foto: TJ-AMA Universidade Federal Amazonas convida a comunidade acadêmica para a Missa de Sétimo Dia do professor aposentado da Faculdade de Direito da Ufam, Paulo dos Anjos Feitoza, a ser realizada no dia 22 de novembro, às 19h30, no Santuário de Nossa Senhora de Aparecida, localizado na Rua Alexandre Amorim, Bairro de Aparecida.

Carreira acadêmica e de magistrado

Paulo Feitoza faleceu na quinta-feira, 16, aos 93 anos, sendo 25 dedicados ao cargo de professor adjunto da Faculdade de Direito. Em 17 de janeiro de 2015 foi um dos homenageados pela Ufam na cerimônia alusiva aos 100 anos de formação da primeira turma de bacharéis em Ciências Jurídicas e Sociais da instituição, em 19 de dezembro de 1914.

Paralela à carreira do Magistério Superior, professor Paulo Feitoza atuou no Poder Judiciário do Amazonas. Em 1967 foi promovido a desembargador, onde exerceu todos os cargos diretivos do Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas – presidente, vice-presidente e corregedor-geral de Justiça. No Tribunal Regional Eleitoral (TRE-AM), Paulo Feitoza foi presidente por três vezes.

Em 1998 inaugurou a Fundação Desembargador Paulo Feitoza, atual FPF Tech, um projeto social e tecnológico com mais de 1500 projetos de inovação tecnológica e diversos prêmios, tornando-se referência nacional e internacional em C&T na Amazônia.

Daest convoca reunião com Centros Acadêmicos

A Pró-reitoria de Gestão de Pessoas (Progesp), por meio da Diretoria de Assistência Estudantil, convoca todos os Centros Acadêmicos da Ufam para reunião no dia 23 de novembro, quinta-feira, às 12h, na Sala de Treinamento da Progesp, para tratar de assuntos relativos ao Restaurante Universitário. 

Professores da Ufam participam de reunião no CMA para fomentar parcerias

Por Ismael dos Santos (Equipe Ascom) e professora Jean Serrão (FES)

Representantes da Universidade Federal do Amazonas e da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) estiveram presentes em uma reunião realizada no dia 14 de novembro, no Comando Militar da Amazônia (CMA), para tratar sobre possíveis parcerias acadêmico-científicas com as Forças Armadas. Os pesquisadores foram recebidos pelo comandante militar da Amazônia, General de Exército Geraldo Antonio Miotto, e os Generais de Brigada Antônio Manoel de Barros e Edson Skora Rosty.

Na ocasião o General Miotto propôs fomentar as ações de assistência, ensino e pesquisa na Amazônia por meio de parcerias com os Programas de Residências em Saúde do Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV) e a Faculdade de Estudos Sociais (FES), levando assistência à saúde e cursos de capacitação nas áreas de Administração, Contabilidade e Economia, na Modalidade à Distância (EaD).

Os professores da Ufam Tristão Sócrates Baptista Cavalcanti e Jean Serrão comentaram que “a parceria trará grandes benefícios à população que reside em locais de difícil acesso no interior da Amazônia, o que inclui as populações tradicionais, levando educação e assistência à saúde ao interior do Amazonas”.

O professor do Curso de Economia, da Escola Superior de Ciências Sociais (ESO) da UEA, Laércio Augusto Guedes de Almeida, ex-tenente do Exército, afirmou que “as ações entre as parceiras devem ser conjuntas, e que a sociedade beneficiada só tem a ganhar”. A opinião do docente também foi compartilhada pelo professor Juscimar Carneiro Nunes, da Faculdade de Medicina da Ufam. “As parcerias entre as universidades e as Forças Armadas trarão oportunidades inovadoras nas áreas de assistência, ensino, pesquisa e extensão, por meio do HUGV, Ufam e UEA. Como exemplo, poderemos atuar com os residentes da área de saúde do HUGV em equipes multidisciplinares, oferecendo um atendimento global à população onde ela mais precisa e tendo uma oportunidade fantástica de formação para os residentes. É claro que estamos apenas iniciando os estudos necessários. É um projeto que demanda planejamento e parceria, mas as possibilidades são excelentes”, afirma.

Atualmente o HUGV possui 25 programas de residência médica, com 163 residentes no total, além de dois programas de residência multidisciplinar e três programas de residência unidisciplinar, que juntos atendem 52 residentes de diversas áreas da saúde, como enfermagem, psicologia, odontologia, assistência social, nutrição, farmácia, educação física, fisioterapia, entre outras.

Biblioteca Central emite comunicado sobre devoluções de livros durante o período de greve dos técnicos em educação

Por Ismael dos Santos
Equipe Ascom

O Sistema de Bibliotecas da UFAM informa aos alunos finalistas que em decorrência da greve dos técnico-administrativos em educação, as devoluções das obras emprestadas na Biblioteca do Setor Sul do Campus, devem ser entregues na Biblioteca Central, localizada na Avenida Ayrão, 1033, 4º andar - Sala da Divisão de Bibliotecas Setoriais (DBS).

Já os demais membros da comunidade acadêmica devem aguardar o encerramento da greve para efetuar as devoluções. A Biblioteca recomenda a renovação dos livros no Sistema Pergamum para que não ocorra suspensão e a comunidade possa fazer empréstimos em outras bibliotecas. Os dias de paralisação não irão gerar suspensão. Também haverá um prazo para devolução na volta das atividades da Biblioteca do Setor Sul, o que será informado oportunamente.

Informações: (92) 3305-1181 / Ramal 2150 / 2152 / 2153 / O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Comitê Gestor do Pacto Universitário pela Educação em Direitos Humanos reúne-se com Reitor da Ufam

 
Por Carolina Lemos
Equipe Ascom

Nesta sexta, 17 de novembro, o Comitê Gestor do Pacto Universitário pela Promoção do Respeito à Diversidade, da Cultura da Paz e dos Direitos Humanos, ou simplesmente Pacto Universitário de Educação em Direitos Humanos, reuniu-se no gabinete com o reitor da Ufam, professor Sylvio Puga, para apresentar o encaminhamento de suas ações.

A Ufam aderiu, em setembro deste ano, ao Pacto, que surgiu de um acordo de cooperação entre o Ministério da Educação e o Ministério da Justiça e Cidadania para a promoção da educação em direitos humanos no ensino superior. Atualmente, mais de 320 IES já estão participando.

O Comitê Gestor conta com representação docente, discente e técnico-administrativa, tendo como sua presidente a professora Márcia Regina Calderipe, do Departamento de Antropologia, e está em fase de elaboração do Plano de Trabalho para 2018.

Sobre o Pacto 

Elaborado a partir de cinco eixos de atuação - ensino, pesquisa, extensão, gestão e convivência universitária –, o Pacto é uma iniciativa muito importante no momento atual.

No âmbito do ensino, o Plano de Trabalho da Ufam deverá incluir a temática dos Direitos Humanos e da cultura de paz como conteúdos preferencialmente obrigatórios, complementares e adaptáveis. No âmbito da pesquisa, promover política de incentivo que propicie o crescimento e o fortalecimento de programas de pós-graduação em Direitos Humanos, com atuação nas temáticas que propiciem o enfrentamento e combatendo a discriminação e a intolerância com grupos em situação de vulnerabilidade.

No âmbito da extensão, atender a demandas não só formativas, mas também de intervenção, por meio da aproximação com os segmentos da sociedade em situação de violência, de vulnerabilidade e de violação de direitos. No âmbito da gestão, incorporar os Direitos Humanos na cultura e na gestão organizacional e institucional, na mediação de conflitos, na forma de lidar e reparar violações por meio de ouvidorias e comissões de Direitos Humanos. E, no âmbito da convivência universitária e comunitária, conjugar esforços para valorizar a diversidade, desenvolvendo uma ética de respeito à alteridade, para assegurar a igualdade de oportunidades, a equidade, a efetivação da democracia, do desenvolvimento, da justiça social e a consolidação de uma cultura de paz e não violência.

O Comitê Gestor na Ufam tem se reunido semanalmente para traçar ações estratégicas que propiciem espaços de discussão e participação da comunidade acadêmica na elaboração do Plano de Trabalho institucional.

Par mais informações: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Reitor da Ufam se reúne com o secretário de Segurança Pública do Amazonas

Reunião ocorreu na sede da SecretariaReunião ocorreu na sede da Secretaria
 
Por Ismael dos Santos
Equipe Ascom

Após receber relatos da comunidade acadêmica sobre o crescente número de assaltos nas linhas de ônibus com itinerário dentro do Campus Universitário, o reitor da Ufam, professor Sylvio Puga, se reuniu com o secretário de Segurança Pública do Estado do Amazonas e vice-governador, Bosco Saraiva, para discutir medidas de segurança. A reunião também contou a presença da professora da Faculdade de Ciências Agrárias (FCA), Eyde Bonatto.

O secretário de segurança recebeu as denúncias e apresentou ao reitor todo um mapeamento de ações que a secretaria vem realizando no entorno do campus, entre elas patrulhamento ostensivo da Polícia Militar por meio de viaturas e abordagens dentro dos ônibus, para coibir os assaltantes. 

“Nós já temos mapeado o que vem acontecendo no entorno do campus universitário, especificamente naquela região entre a Lagoa do Japiim e a Ufam. Inclusive com a rota de fuga dos assaltantes que causam um enorme transtorno para a comunidade universitária. Já determinamos à Secretaria de Operações Especiais da SSP-AM para que cuide desse assunto de forma pontual e imediata. Os estudantes que presenciarem ou forem vítimas desses assaltos devem ligar para o 190 [Ciops] ou 181[SSP]. Dessa forma será acionado um patrulhamento mais próximo da ocorrência”, afirmou Bosco Saraiva.  

O reitor ressaltou a importância das parcerias com o Governo do Estado em prol da Ufam. “Na medida que temos ciência da comunidade acadêmica (professores, técnicos e alunos) sobre essa situação [assaltos], imediatamente buscamos as autoridades competentes para soluções. Estamos trabalhando em conjunto com o Governo do Estado, por meio das Polícias Civil e Militar, para que todas as ações que venham a dar segurança a nossa comunidade sejam tomadas, uma vez que nosso maior patrimônio é a comunidade, além da nossa área física”, destacou o professor Sylvio Puga.

Parceria entre Ufam e Anclivepa beneficia profissionais de veterinária do Amazonas

 
Por Valdeniza Vasques
Equipe Ascom
 

Além de promover capacitação, evento arrecadou ração para os animais domésticos que circulam pelo campus

Uma iniciativa entre a Ufam e a Associação Nacional de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais no Amazonas (Anclivepa-AM) promoveu qualificação e responsabilidade social para profissionais de veterinária do Estado. No último dia 11, um ciclo de palestras reuniu cerca de 60 profissionais e estudantes da área em torno de temas como anestesiologia animal, emergência e rotina veterinária. 

O evento também ajudou a arrecadar quarenta quilos de ração para os animais domésticos que vivem no Campus Universitário Senador Arthur Virgílio Filho. Segundo a professora do Instituto de Ciências Biológicas (ICB/Ufam), Roseane Oliveira, ações como essa demonstram “o quanto a nossa Universidade possibilita parcerias que promovem qualificação e recursos na área de veterinária. Além disso, ajuda os animais da Ufam com responsabilidade social”.  A docente é a principal articuladora da parceria com a Anclivepa e está à frente do Laboratório de Anatomia e Fisiologia Animal (Lafa/Ufam).

A parceria com a Associação já rendeu, em 2016, a castração de nove cães e gatos que circulam pelo campus. Esse tipo de iniciativa auxilia no controle da população de animais errantes da universidade e a prepará-los para doação.

Para o presidente da Anclivepa, Estevão Leandro, a cooperação com a Universidade é fundamental para a promoção da capacitação dos médicos veterinários do Amazonas. “Sabemos que a nossa região tem dificuldades de logística que encarecem a capacitação dos profissionais. A Anclivepa tem a missão de diminuir essas dificuldades, e a parceria com a Universidade é fundamental na melhoria da qualidade técnica dos nossos profissionais”, declarou, destacando o excelente espaço físico que a Ufam possui para a realização de palestras e workshops. “Agradecemos a Ufam e esperamos manter a parceria no futuro”, finalizou.

Curso de Letras – Língua Japonesa da Ufam participa de evento do Consulado do Japão

 
Por Raryane Ramos
Equipe Ascom
 
 
O Consulado do Japão realizou evento de premiação do II Concurso de Redação, na manhã de hoje, 17, na Escola Estadual de Tempo Integral Bilíngue Professor Djalma Batista. Entre os convidados, estava a coordenadora do Curso de Letras - Língua Japonesa da Ufam, professora Cristina Sambruichi, o diretor da Fundação Japão, Masaru Susaki e o vice-coordenador do cônsul Japão em Manaus, Yoshinari Oda.
 
'Por que estudar Japonês?' foi o tema do II Concurso de Redação promovido pelo Consulado do Japão e cerca de 200 alunos do ensino fundamental participaram da competição, sendo os 20 melhores premiados com medalhas, certificados e brindes do Consulado do Japão. 
 
A abertura do evento ficou por conta do estudante de Letras – Língua Japonesa da Ufam, Wendell Martins, que contou aos alunos sobre sua experiência de intercâmbio na Universidade de Kagoshima, sendo o primeiro aluno contemplado pelo acordo firmado pelo Curso de Letras – Língua Japonesa, por meio da Assessoria de Relações Internacionais (Arii), com vigência de cinco anos, entre a Ufam e a Universidade de Kagoshima.
 
Um pouco da experiência - “A experiência de vivenciar a realidade do Japão foi muito boa. Em um dia no Japão a gente aprende mais do que em três meses lendo e estudando sobre o Japão. Muita coisa do que eu esperava aconteceu, outras coisas que eu não esperava acabaram acontecendo, tanto positivas, quanto negativas. Em suma, foi uma experiência que eu não tenho nem como mensurar o quanto foi positiva na minha vida”, conta o aluno Wendell Martins.
 
A coordenadora do curso de Letras - Língua Japonesa da Ufam, professora Cristina Sambruichi, contou sobre o sentimento de orgulho da participação de um aluno no intercâmbio entre as universidades e  falou ainda sobre a apresentação de Wendell: “Ele fez uma apresentação muito boa, foi divertida, fácil de entender e eu espero que os alunos fiquem interessados nesse tipo de intercâmbio porque nós queremos que eles continuem estudando japonês e que muitos deles ingressem na Universidade para estudar e aprofundar o estudo de língua, cultura e literatura japonesa”.
 

Professores Marcus Barros e Marilene Corrêa produzem artigo sobre o documentário Beyond Fordlândia

Na obra, os intelectuais analisam os impactos desastrosos, tanto no passado quanto no presente, do projeto agroindustrial Fordlândia, protagonizado pelo empresário estadunidense Henry Ford na Amazônia entre 1929 e 1945.

Por Márcia Grana
Equipe Ascom Ufam

O artigo intitulado “Beyond Fordlândia: para além da indiferença contemporânea”, de autoria dos professores da Ufam Marilene Corrêa e Marcus Barros, publicado no Jornal Correio do Brasil, no último dia 15 de novembro, consiste em uma análise da obra cinematográfica “Beyond Fordlândia”, dirigida por Marcos Colón e que apresenta, nove décadas mais tarde, o fracasso da ação de Henry Ford na Amazônia.

No final da década de 1920, Henry Ford, um bem-sucedido empresário do ramo automobilístico, resolve ter a própria produção de látex para a fabricação de pneus e, assim, tornar-se independente da produção de borracha asiática. Para tanto, ele adquire uma vasta extensão de terras no estado do Pará e constrói uma cidade para viabilizar seu projeto, marcado por uma intervenção cultural e econômica devastadora, que persiste até os dias atuais. No artigo, os autores classificam a experiência de Ford na Amazônia.como um “atentado”.

O documentário já recebeu três premiações por dar visibilidade aos efeitos de tais intervenções através de depoimentos de índios, posseiros e assalariados rurais.

Sobre os autores:

Marcus Luiz Barroso Barros é ex-reitor da Ufam; membro da Academia Amazonense de Letras; médico e pesquisador com destacada atuação na saúde pública do Amazonas.

Marilene Corrêa da Silva Freitas é presidente do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas (IGHA); membro da Academia Amazonense de Letras (AAL); ex-reitora da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e professora do Departamento de Ciências Sociais da Ufam. Pesquisadora dos Programas de Pós-graduação em Sociologia e em Sociedade e Cultura na Amazônia na Ufam.

Confira, em anexo, o artigo publicado pelos professores da Ufam.

Anexos:
Fazer download deste arquivo (Beyond Fordlandia.pdf)Beyond Fordlandia.pdf[ ]2624 kB

Demat informa prazo final para empenho e fechamento de almoxarifado

O Departamento de Material (Demat) informa às unidades acadêmicas/administrativas que, em virtude do encerramento do exercício financeiro, receberá somente até o dia 24/11/2017 (sexta-feira) os pedidos para empenho, conforme Atas de Registro de Preço vigentes. Não serão mais processados pedidos para abertura de licitação neste ano.

Informa ainda que no dia 05/12/2017 (terça-feira), o Almoxarifado Central será fechado para Inventário Anual e Auditoria, quando não serão mais liberados os materiais de expediente, existentes em estoque, até a data de 15/01/2018 (segunda-feira).

Prefeitura do Campus faz podagem e manutenção neste domingo, 19

A Prefeitura do Campus Universitário informa que dia 19 de novembro, domingo, será feita manutenção na rede elétrica e podagem de árvores, portanto não haverá energia elétrica no Campus Manaus. 

Abertura do XII Encontro de Avicultura ocorreu nesta quinta-feira, na FCA

Mesa de abertura do XII Encontro de Avicultura da UfamMesa de abertura do XII Encontro de Avicultura da UfamPor Juscelino Simões
Equipe Ascom

O setor de Avicultura da Faculdade de Ciências Agrárias da Ufam realizou na manhã desta quinta-feira, 16, a abertura do XII Encontro de Avicultura da Faculdade de Ciências Agrárias, com o tema ‘Inovações na Ciência Avícola’. Paralelamente ocorre a VI Mostra de Avicultura com a exposição de banners de pesquisas realizadas por estudantes da FCA.

A mesa de abertura foi composta pela vice-diretora da Faculdade de Ciências Agrárias da Ufam (FCA), Maria Teresa Gomes, diretora de Projetos e Programas de Extensão Universitária da Pró-Reitoria de Extensão (Dproex), professora Maria de Nazaré de Lima Ramos, coordenador geral do evento e do setor de Avicultura da FCA, Frank George Guimarães Cruz, diretor do Centro de Ciências do Ambiente da Ufam, Eron Bezerra, chefe do Departamento de Produção Animal e Vegetal, Expedita Maria de Oliveira Pereira e professor do Ifam/zona Leste, Felipe Faccini dos Santos.

O evento tem como objetivo proporcionar a estudantes, profissionais, técnicos e produtores a oportunidade de atualizarem seus conhecimentos em temas relacionados à produção avícola com ênfase nas novas tecnologias presentes no mercado e acessíveis para a utilização pelo produtor. O Encontro discute a temática ‘Otimização da produção avícola no Amazonas’. Consta na programação palestras com profissionais renomados, minicurso, debates e apresentação de trabalhos dos estudantes da graduação e pós-graduação da FCA.

A palestra de abertura do evento foi proferida pelo professor do Ifam/zona Leste, Felipe Faccini dos Santos com o tema ‘Impactos econômicos das doenças aviárias’.

A vice-diretora da FCA, Maria Teresa Gomes, destacou o trabalho do professor Frank Cruz na realização do Encontro e na luta pela melhoria do conhecimento nesta área. “Vejo o professor Frank Cruz como um grande entusiasta. Com toda sua equipe vêm desenvolvendo a área de avicultura na Instituição e na região durante anos. O setor de Avicultura da FCA tem se destacado como produtor de tecnologia, de conhecimento e oportunizado produtores a melhorarem sua produção avícola. Parabenizo o professor pela dedicação em realizar este evento há 12 anos e oportunizar a comunidade a ter acesso a novos conhecimentos”, afirmou a diretora em exercício da FCA.

O coordenador e idealizador do evento, Frank Cruz, ressaltou que o Encontro é direcionado a um público eclético. “O XII Encontro e a VI Mostra de Avicultura é voltado para um público bem eclético (estudantes da graduação, de pós-graduação, técnicos e produtores rurais) porque tudo que é pesquisa gerada dentro da universidade precisa ter o conhecimento da sociedade. Nossas pesquisas, os resultados de nossas atividades, precisam extrapolar os muros da Ufam por meio de eventos, de semanas, de encontros entre o cientista e a sociedade. Por isso iniciamos há 12 anos o primeiro Encontro de Avicultura com este objetivo. Não se faz pesquisa pra você mesmo. É necessário divulgá-las e atender as demandas sociais”, concluiu Frank Cruz.

O estudante do 4º período de Zootecnia e bolsista de Iniciação Científica do setor de Avicultura da FCA, Gilberto Batista Viana Filho, afirmou que o XII Encontro de Avicultura é importante porque a comunidade acadêmica tem a oportunidade de ter acesso a resultados de pesquisas da área, além de atender a produtores rurais. “O evento vai agregar informações para estudantes, pesquisadores, além de atender as demandas de produtores rurais regionais”, disse o estudante.       

Biblioteca Central da Ufam recebe doação de livros da Petrobras

Acervo doado são das áreas de Geologia e Engenharia de Petróleo e GásAcervo doado são das áreas de Geologia e Engenharia de Petróleo e GásPor Ismael dos Santos (Equipe Ascom) e Célia Lira (Diretora da Biblioteca Central)

A Universidade Federal do Amazonas recebeu da Petrobras, por meio de doação, um acervo de 2.595 volumes. São 1.788 livros, 691 fascículos de periódicos e 116 CDs/DVDs. Os conteúdos estão relacionados principalmente as áreas de Geologia e Engenharia de Petróleo e Gás. Todo o material informacional será avaliado segundo os critérios da política de Seleção, Avaliação e Aquisição de Acervos do Sistema de Bibliotecas, para posterior incorporação ao acervo da universidade.

A diretora da Biblioteca Central Célia Lira declarou a importância de receber a doação de um acervo que antes atendia a pesquisadores da Petrobras, empresa multinacional especializada em exploração de Petróleo e Gás. “O material informacional irá agregar grande valor ao acervo da Ufam e, com certeza, será muito utilizado pela comunidade universitária”. 

Empresas interessadas em fazer doações de livros para Ufam, e demais acervos informacionais, podem entrar em contato com a Biblioteca Central: (92) 3305-1181 / Ramal 2150 / 2152 / 2153 / O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Museu Amazônico inicia atividades do Laboratório de Conservação e Restauro de Documentos


O Laboratório de Conservação e Restauro de Documentos  (Lacord), ligado à Divisão de Pesquisa e Documentação Histórica (DPDH) do Museu Amazônico da UFAM, tornou-se realidade a partir de discussões com o Diretor do Museu Amazônico que, abraçando a ideia, passou a execução e coordenação ao professor Leandro Coelho de Aguiar, professor do Curso de Arquivologia vinculado a Faculdade de Informação e Comunicação (FIC) da UFAM e Diretor da Divisão de Pesquisa e Documentação Histórica do Museu Amazônico, que conta com o apoio do também arquivista Bruno Trece, servidor da instituição, especialista em preservação de documentos pelo Museu de Astronomia e Ciências Afins - MAST, localizado no prédio histórico da antiga Faculdade de Farmácia, no bairro da Aparecida, Zona Sul de Manaus.

As atividades do laboratório iniciaram em  outubro de 2017, com a realização de oficinas de conservação preventiva para os alunos da disciplina de Conservação e Restauro de Documentos do Curso de Arquivologia, assim como uma oficina de qualificação exclusiva para os servidores do Museu Amazônico e funcionários da Secretaria de Cultura do Amazonas, ministradas pelo engenheiro químico do Arquivo Nacional Antônio Gonçalves como atividade integrante do Seminário Perspectivas de Conservação e Restauro do Patrimônio Documental no Amazonas, realizado em parceria entre o curso de Arquivologia, o Museu Amazônico e a Secretaria de Cultura do Amazonas, através do Ateliê de Conservação e Restauro. 

De acordo com o Diretor do Museu Amazônico, Dysson Teles Alves, a criação do Laboratório vem cumprir uma parte significativa das tarefas de organização arquivística desenvolvidas pela Divisão de Pesquisa e Documentação Histórica e, sobretudo, contribuir de forma efetiva para a formação acadêmica e profissional tanto dos alunos do curso de arquivologia quanto para  profissionais de todos os níveis que atuam na área por meio de cursos e oficinas práticas.

O  Lacord tem como objetivo servir de local técnico do Museu Amazônico, realizando o trabalho de conservação e restauro do acervo histórico em sua custódia, mas também é pautado pelo tripé universitário Ensino-Pesquisa-Extensão, contribuindo assim, na formação dos alunos, na produção de conhecimento científico e na apresentação e transformação prática de seus resultados em produtos que possam ajudar a sociedade em geral.

Finalizada esta primeira etapa de idealização e consolidação do Laboratório, o mesmo estará apto a realizar atividades de conservação preventiva através da identificação, análise das condições do suporte e da informação, higienização básica e acondicionamento adequado. Espera-se que, com a montagem total do Laboratório, após a adequação da estruturação física do prédio e da aquisição de mão de obra especializada, maquinários, utensílios e material, possam ser realizadas atividades de pequenos reparos e restaurações mais profundas da documentação, não apenas em suporte de papel, mas em outros suportes digitais, filmográficos e tridimensionais. Além disso, um terceiro objetivo será o de prestar  serviços e suporte técnico a outras instituições públicas e privadas.

Para o Diretor da Divisão de Pesquisa e Documentação do Museu Amazônico, professor Leandro Aguiar, “o objetivo é que o Laboratório venha a se tornar referência na preservação do patrimônio documental não apenas no Amazonas, mas em toda a região Norte, colaborando para a melhor prática de guarda e disseminação das informações, que ajudam a compreender e consolidar a própria concepção histórica e sociocultural das diversas identidades presentes na formação da Amazônia”.