Ufam reafirma termo de cooperação com TJAM e UEA para atuação jurídica de acadêmicos

 
Estudantes de Direito devem atuar em projetos voltados à resolução de conflitos
 
Por Cristiane Souza
Equipe Ascom/Ufam

A Universidade Federal do Amazonas (Ufam), representada pela assessora especial da Reitoria, professora Therezinha Fraxe, reafirmou, na última terça-feira, 31, o interesse pela continuidade do Termo de Cooperação Técnica firmado com o Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas (TJ-AM), do qual a Universidade do Estado do Amazonas (UEA) também passou a fazer parte. O objetivo do instrumento é ampliar o acesso à Justiça para a população de baixa renda, ao mesmo tempo em que possibilita a participação dos acadêmicos em projetos de prática profissional voltada à resolução de conflitos judiciais e extrajudiciais.

Acadêmicos da Ufam já têm atuado na resolução de conflitos judiciais e extrajudiciais por meio dos processos do TJAMAcadêmicos da Ufam já têm atuado na resolução de conflitos judiciais e extrajudiciais por meio dos processos do TJAM“É um projeto que permite o direito à Justiça e capacita nossos estudantes com a práxis cotidiana na solução de diversos conflitos. Assim, buscamos a excelência no ensino, pesquisa e extensão no campo do direito”, comemorou a docente, ao adiantar que o Acordo atenderá com especificidade os graduandos da Faculdade de Direito da Ufam.

“Seja em Manaus, Benjamin Constant, Itacoatiara, Parintins, Humaitá e Coari, nós somos uma só Universidade! Estamos buscamos sempre a equidade social, ambiental, territorial, cultural, política e econômica”, observou a professora Therezinha Fraxe. Segundo ela, a formação do acadêmico dessa área passa também pelo conhecimento prévio acerca da realidade na qual ele atuará, ou seja, uma rica experiência que complementa a teoria e terá acompanhamento dos professores das duas instituições de ensino superior.

Serviços

Pela cooperação técnica, da mesma forma como já vem sendo realizado pela Ufam, a UEA disponibilizará acadêmicos do curso de Direito para atuar, em regime de estágio, em abordagens processuais e pré-processuais a pessoas de baixa renda que comprovarem a insuficiência de recursos para constituir advogados. Sob a orientação de profissionais do TJAM e colaboração de professores das próprias instituições, os estagiários atuarão também na elaboração de peças judiciais, no gerenciamento de cartório e no acompanhamento das partes em possíveis sessões de conciliação de mediação, quando for o caso.

Segundo o presidente do TJAM, desembargador Flávio Pascarelli, a cooperação técnica é promissora e buscará fornecer atendimento a cidadãos que necessitam de orientação jurídica. “A parceria já foi firmada com a Ufam e agora, com a adesão da UEA e da Defensoria Pública, será fortalecida prestando auxílio jurídico a um número muito maior de cidadãos”, afirmou o presidente da Corte estadual, lembrando que a iniciativa trará benefício, igualmente ao estudante de Direito que agregará as atividades práticas à sua formação acadêmica.

 

Com informações: Assessoria de Comunicação do TJAM

Por Cristiane Souza
Equipe Ascom/Ufam