Ufam inaugura Centro de Anatomia Patológica e Centro de Pesquisa em Saúde

O investimento total em infraestrutura e equipamentos ultrapassou 5 milhões de reais

Centro de Anatomia é uma das mais de 60 obras concluídas desde 2009Centro de Anatomia é uma das mais de 60 obras concluídas desde 2009Duas obras com o potencial de fomentar as atividades de ensino, pesquisa e extensão da área de Ciências da Saúde foram entregues na terça-feira, 13 de junho, à comunidade universitária e à sociedade. O Centro de Anatomia Patológica, cuja primeira instalação possuía 25 m² em 1969, hoje ocupa 488 m², após ampliação que custou cerca de R$ 1,5 mi. Já o Centro de Pesquisa em Saúde (Cepes) possui cinco pavimentos distribuídos em mais de 2 mil m², nos quais a Universidade Federal do Amazonas investiu mais de R$ 3,9 mi.

A reitora, professora Márcia Perales, fez um retrospecto do investimento em infraestrutura nos últimos oito anos, com destaque para a duplicação da área construída desde 2009. “Foram mais de 60 obras iniciadas e finalizadas nessa gestão, com salto de 127 mil m² para quase 260 mil m² de área construída, sem contar as que estão cerca de 80% prontas”, informou. “Nós falamos por uma comunidade e, em nome da UFAM, entregamos mais esta obra. Usamos o recurso público com transparência e estamos finalizando este trabalho com a consciência de que o melhor foi feito e a determinação de que tudo valeu a pena. Sempre tivemos essa preocupação como gestores de uma comunidade de 45 mil pessoas”, afirmou a reitora.

Na avaliação do vice-reitor, professor Hedinaldo Lima, obras da magnitude do Centro de Anatomia Patológica e do Centro de Pesquisa em Saúde, mesmo que demandem sempre um cuidado maior, por se tratarem de áreas muito específicas, contribuem para que a Universidade cumpra o seu objetivo, que é o de criar melhores condições de trabalho para a comunidade acadêmica. “Agradecemos a todos que nos ajudaram a construir uma UFAM cada vez melhor para a sociedade. Entregamos mais esta obra com orgulho e satisfação”, enfatizou o vice-reitor.Foram investidos mais de R$ 700 mil em equipamentos para o Centro de AnatomiaForam investidos mais de R$ 700 mil em equipamentos para o Centro de Anatomia

Revitalização

O Centro de Anatomia Patológica foi, na verdade, reinaugurado, como destaca o chefe do Departamento de Patologia e Medicina Legal, professor Jeconias Câmara. Apenas na aquisição de equipamentos, foram investidos mais de 700 mil reais, o que, segundo o docente, contribui muito para a melhoria do trabalho realizado em nível de graduação e pós-graduação, e ainda pela prestação de serviços a parceiros públicos e privados da capital e do interior, como, por exemplo, a realização de uma média de quatro mil exames patológicos por ano.

“O Laboratório existe há mais de 40 anos e atende aos alunos das graduações em Medicina, Odontologia, Farmácia, Enfermagem e Fisioterapia. Além disso, abriga a primeira Residência Médica em Anatomia Patológica, um curso de três anos e nove mil horas/aula. Temos também a especialização em Patologia Oral e Maxilo-Facial, que existe há oito anos, tem duração de dois anos e quase seis mil horas/aula. Cada turma tem dois residentes e os dois cursos são pioneiros na Região Norte”, orgulha-se o professor Jeconias Câmara.

Por outro lado, o fortalecimento das parcerias internas e externas também é um ponto forte do Centro de Anatomia Patológica. “Por ser uma área transversal, a Anatomia Patológica atende a projetos de Iniciação Científica da graduação, todas as especialidades de residência e demais programas de pós-graduação da área da saúde e afins. O Centro ainda é responsável por fornecer laudos e biópsias para o HUGV, o Araújo Lima, o Hospital Francisca Mendes, o Ambulatório de Odontologia, o IML, a UEA e outros ambulatórios de Manaus e do interior. É uma média de quatro mil por ano”, afirmou.

Centro de Pesquisa em Saúde possui cinco pavimentos que serão compartilhados por seis programas de pós-graduaçãoCentro de Pesquisa em Saúde possui cinco pavimentos que serão compartilhados por seis programas de pós-graduaçãoDecano do Laboratório de Patologia, o professor Luiz Carlos Ferreira, ao recordar que os 25 m² iniciais aumentaram em 20 vezes, disse que o crescimento representa a confiança que a Universidade deposita na atuação relacionada à anatomia patológica. “O trabalho na área de patologia tropical na graduação e na pós-graduação, por exemplo, beneficia toda a sociedade. É um orgulho ver o reconhecimento de um esforço de décadas”, agradeceu.

Multi e transdisciplinar

Investir num Centro de Pesquisa em Saúde (Cepes) foi uma necessidade que surgiu a partir do desenvolvimento científico e tecnológico nessa área, ainda no ano de 2003, quando foi elaborada e encaminhada sua primeira proposta à Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP). Mas a obra não pôde ser concluída no prazo e o recurso de R$ 750 mil foi devolvido.

A atual gestão, todavia, assumiu a responsabilidade de construir o Centro de Pesquisa, investindo, desde 2012, quase R$ 4 milhões num prédio de cinco pisos cuja área total é de exatamente 2.135,39 m². Os ambientes serão usados para o desenvolvimento de pesquisas de seis programas de pós-graduação nas áreas de Medicina, Odontologia, Ciências Farmacêuticas e Enfermagem. No prédio estão abrigados os laboratórios de Patologia Experimental, Biologia Molecular, Bacteriologia, Micologia Clínica e Esterilização Experimental.

UFAM investiu recursos próprios de quase R$ 4 milhões na construção do CepesUFAM investiu recursos próprios de quase R$ 4 milhões na construção do Cepes

Representantes das Pós-Graduações em Odontologia, Enfermagem, Medicina e Farmácia participaram do descerramento da placa de inauguração do Cepes. A professora Nikeila Conde (FAO) reafirmou a necessidade do Centro para o andamento de pesquisas do Mestrado em Odontologia, certa de que surgirão bons resultados acadêmicos do uso. Na mesma linha, a professora Nair Chase (EEM) está na expectativa de avanço das pesquisas no âmbito do Mestrado Profissional em Enfermagem.

Representando a Medicina, o professor Jeconias Câmara enfatizou que o número de publicações na área de patologia, que já é expressivo, tende a aumentar com o uso dessa nova estrutura. Por fim, a professora Marne Vasconcelos (FCF) também comemorou a inauguração. “Em nome do PPG em Ciências Farmacêuticas, estamos muito felizes com esse espaço, porque vai incrementar o funcionamento das pesquisas sobre patologias na Amazônia e os estudos de Micologia Clínica e de Biologia Molecular”, apontou a docente.

O superintendente do Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV), professor Rubem Alves Júnior , destacou a magnitude da obra entregue. “Eu fui testemunha desta que foi uma construção intelectual e de infraestrutura física. É um espaço para ser compartilhado por pesquisadores em benefício da população”, frisou.