Departamento de Matemática da Ufam comemora inserção da Matemática brasileira em grupo de elite Internacional

A entrada do Brasil no Grupo 5 foi aprovada pela União Matemática Internacional (IMU)

 

Por Márcia Grana
Equipe Ascom Ufam

Os professores do Departamento de Matemática da Universidade Federal do Amazonas (DM/Ufam) comemoram a notícia da ascensão da Matemática brasileira ao Grupo 5 da União Matemática Internacional (IMU) – que reúne as nações mais desenvolvidas em pesquisa matemática.

Ingresso - O Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA) e a Sociedade Brasileira de Matemática (SBM), considerando a qualidade dos programas de pós-graduação da área e as publicações em periódicos importantes, formalizaram, em 2017, a candidatura do Brasil para integrar o grupo de destaque e o ingresso foi aprovado pela União Matemática Internacional (IMU).

Membro afiliado da Academia Brasileira de Ciências (ABC) e atualmente bolsista de pesquisa na Lehigh University, nos Estados Unidos, o professor José Nazareno Vieira Gomes,ressalta que fazer parte desse grupo de elite Internacional é uma honra para todo pesquisador brasileiro que contribui cotidianamente com seu trabalho para essa importante conquista. “Antes de tudo gostaria de deixar claro que a base e o maior responsável por esta conquista estão enraizados no Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (IMPA), a mola propulsora do crescimento da pesquisa em âmbito internacional. Não obstante os reconhecidos méritos do IMPA, a inserção internacional da matemática brasileira se dá como fruto do aumento da pesquisa no país como um todo, seja quantitativamente ou qualitativamente. E isso se nota pelo aumento na formação de doutores no país, pois são eles que formam novos doutores, criando assim, um processo contínuo e próspero no aumento da pesquisa de qualidade”, comenta o docente.

Professores do Departamento de Matemática da UfamProfessores do Departamento de Matemática da Ufam

Qualificação - Ele também destaca o alto investimento em qualificação.   “Devemos ressaltar a contribuição de cada pequeno programa de pós-graduação, pois cada um tem sim o seu mérito particular. Na Ufam, por exemplo, nosso departamento investiu duramente na qualificação de nossos professores e hoje quase 100% do nosso quadro de professores permanentes é formado por doutores. Nós temos professores com doutorado em grandes universidades do Brasil e do exterior. Atualmente, estamos investindo no pós-doutoramento de nossos professores, isso torna o crescimento profícuo e duradouro. Agora com o curso de doutorado, estamos mais ativos em pesquisa, o número de docentes publicando em revistas internacionais aumentou muito, as teses geram artigos e as orientações motivam os professores a se atualizarem com assuntos promissores. A busca por soluções de problemas relevantes ainda deve aumentar, pois não se faz tese em matemática sem essa rotina de estudos”, declarou o membro afiliado da Academia Brasileira de Ciências (ABC).

Comemorações e desafios - O coordenador do curso de Licenciatura em Matemática do turno matutino, professor Francisco Feitosa afirma que não é de hoje que o Brasil figura entre as grandes potências da pesquisa em Matemática. “Podemos citar por exemplo os trabalhos dos professores Manfredo do Carmo, Elon Lages Lima, Marcelo Viana. Aqui do Departamento de Matemática da Ufam é preciso reconhecer a contribuição dos trabalhos dos professores Ivan de Azevedo Tribuzy, Renato de Azevedo Tribuzy e, mais recentemente, do professor José Nazareno Vieira Gomes, docente do nosso Programa de Pós-Graduação em Matemática e um dos cinco pesquisadores da Região Norte escolhidos para ser membro afiliado da ABC.Todos com contribuições altamente significativas para o avanço da matemática. Deve-se deixar claro que essa conquista da matemática brasileira deve-se, em grande parte, ao grande investimento financeiro dado a Ciência e Tecnologia nos últimos 13 anos. Investimentos estes que, nos últimos meses, têm diminuído drasticamente e trará consequências gravíssimas no futuro”, avalia o docente.

Apesar de comemorar o reconhecimento internacional da qualidade da pesquisa em matemática do Brasil, ele chama atenção para a Matemática ofertada no Ensino básico. “Devemos ter consciência de que essa qualidade reconhecida internacionalmente não se reflete nas salas de aula do Ensino Básico. Nossos alunos apresentam péssimos resultados, seja nas avaliações nacionais, seja nas internacionais. Aqui no Amazonas, a qualidade do ensino da Matemática que é ofertado na rede pública de ensino é baixíssima. Como podemos ver, ao mesmo tempo em que temos muito a comemorar, temos muitos desafios a vencer”, destacou o professor.

Sobre a IMU - A União Matemática Internacional (IMU) foi criada em 1920 para promover a cooperação internacional em Matemática. O Brasil ingressou na IMU em 1954.

Congresso Internacional de Matemática

No próximo mês de agosto, o Rio de Janeiro sediará o Congresso Internacional de Matemática (ICM 2018). Será o primeiro ICM da América Latina e do Hemisfério Sul. Para mais informações, acesse http://www.icm2018.org